Parece cena de ficção, mas molhar o celular acidentalmente é um caso bastante comum. Piscina, praia e tarefas domésticas, como lavar a louça, são episódios já conhecidos.

Além disso, é bom ficar atento aos cuidados com o celular durante atividades físicas. Isso porque, o suor excessivo também é motivo suficiente para danificar as peças do celular.   

Todas essas eventualidades podem provocar danos severos no seu smartphone, principalmente se o aparelho não for resistente ou à prova d’água.

Afinal, um dos principais prejuízos, caso o celular não possua esse recurso, é a oxidação das peças internas. Resultado: celular inabilitado para uso. 

Para saber o que fazer quando o celular cai na água, separamos algumas dicas preciosas para ajudar na hora do desespero. Vamos conferir?

6 dicas do que fazer quando o celular cair na água

Imagem de água derramada d eum copo sobre um celular. Imagem de água derramada d eum copo sobre um celular.

1. Não tente ligar o celular de cara

Sabemos que a primeira ação que dá vontade de fazer após o celular cair na água é reiniciar o aparelho.No entanto, deixe a ansiedade de lado e espere ele secar completamente antes de ligar.Forçar o aparelho para ligar com as peças ainda molhadas pode acelerar os danos no circuito interno dele. Então, deixe o celular desligado! 

2. Desmonte as partes possíveis do celular

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, o display não é a peça mais frágil no caso de o celular molhar.

As peças internas são as que apresentam maior chance de oxidar, de modo que o smartphone pode reiniciar sozinho várias vezes após cair na água. 

Por isso, remover partes como bateria, chip e cartão microSD podem otimizar o processo de secagem.

Apesar de nem todos os dispositivos possuírem uma quantidade significativa de peças removíveis, o melhor a se fazer é desmontar o aparelho o máximo possível.

No caso da bateria, ela pode causar ainda mais danos se permanecer no celular. Por isso, se o seu aparelho for daqueles que é possível retirar, faça isso imediatamente após o celular cair na água.

Imagem de uma pessoa secando a tela de um celular com um lenço. Imagem de uma pessoa secando a tela de um celular com um lenço.

3. Limpe todas as peças do celular com um pano seco

Usar o secador para recuperar um celular molhado pode causar ainda mais danos ao seu aparelho. 

Assim, o ideal é limpar o smartphone com um pano seco, absorvendo o excesso de água. Se houver a possibilidade de remoção de algumas peças, é importante secá-las individualmente. 

4. Deixe o celular secar naturalmente ao sol

Secar o aparelho com um pano seco não garante por si só o seu funcionamento imediato.Isso acontece porque a água pode ficar armazenada nas peças não removíveis do celular. 

Para garantir que ele fique bem sequinho, vale a pena deixar o aparelho secando naturalmente ao sol sobre um pano ou guardanapos.

É importante que o dispositivo não esteja em contato direto com superfícies que podem superaquecer como metal ou concreto. 

A atenção ao tempo de exposição também é essencial. Pois, em alguns locais com temperaturas mais altas, essa exposição pode superaquecer o smartphone e provocar danos às peças. Da mesma forma que acontece quando tentamos usar o secador para tirar a umidade do aparelho.

Imagem de um celular na areia da praia, coberto pela água de uma onda. Imagem de um celular na areia da praia, coberto pela água de uma onda.

5. Utilize sílica em gel para absorver a umidade

Mesmo após deixar as peças do celular secando naturalmente, alguns componentes internos ainda podem estar um pouco úmidos. 

Para maior segurança, é bom que o aparelho entre em contato com substâncias capazes de absorver a umidade dos ambientes como a sílica em gel.

A sílica em gel é aquele acessório usado em armários para evitar a proliferação de mofo e pode ser essencial para recuperar o seu celular molhado. 

O melhor método é imergir o aparelho em um pote cheio da substância, de modo a cobrir todas as peças.

Caso não tenha uma grande quantidade de sílica em gel em casa, outra dica que funciona muito bem é colocar o smartphone dentro de um saco plástico com dois saquinhos da substância por um período de 24h ou mais, a depender de quão molhado ele esteja. 

No caso das peças avulsas, é importante que cada uma esteja em um saco diferente, ok?

Se for preciso fazer o celular funcionar o mais rápido possível, os saquinhos de sílica em gel bodout podem encurtar o tempo de espera de seis a oito horas.

6. Cubra o aparelho em um pote com arroz

Na hora da emergência, é comum que não se tenha acesso imediato à sílica em gel. Nesses casos, pode-se optar por um ingrediente mais caseiro: arroz cru. O arroz possui propriedades que absorvem a umidade. Mais prático, né?

Para recuperar um celular molhado, o ideal é imergi-lo juntamente com suas peças avulsas em um pote cheio de arroz cru e esperar de 24h a 72h, conforme a umidade que o aparelho apresenta. 

Dependendo do caso, é interessante que seja feita a troca do arroz a cada dia, pois o grão possui uma capacidade limitada de absorção da água. 

Entretanto, cuidado. Se o smartphone for deixado por muito tempo em um mesmo pote, as peças podem entrar em contato com o amido e piorar a situação.

Imagem de um homem usando um celular debaixo da água em uma piscina. Imagem de um homem usando um celular debaixo da água em uma piscina.

O que fazer se eu não conseguir recuperar o celular molhado?

No geral, infelizmente a assistência técnica não cobre danos causados aos celulares em razão de exposição à água ou ao suor. 

Os smartphones e tablets apresentam funções que apontam se o aparelho foi exposto à água, de modo que se torna mais fácil identificar a ocorrência desse tipo de acidente.

Portanto, se o celular quebrar, a primeira opção é fazer um orçamento com uma assistência técnica autorizada para ver se vale mais a pena reparar o smartphone ou adquirir um novo.

Para quem já passou pela angústia de perder um celular que caiu por acidente na água e não deseja mais vivenciar essa situação, uma das opções é investir em um celular à prova d’água.

No entanto, fique atento às certificações que o smartphone deve possuir para garantir esse recurso.

Quais são as principais certificações de celular à prova d’água

As principais certificações de celulares à prova d'água ou resistentes à água são a IP67 e IP68.

A certificação IP67 garante o funcionamento do aparelho mesmo após um mergulho de até um metro de profundidade, por até 30 minutos.

Já a certificação IP68 traz a proteção de até 3 metros de profundidade em 30 minutos.

Investir em um celular à prova d'água é uma opção interessante para quem não quer arriscar dar perda total no celular quando molha.

Confira algumas dicas de smartphones resistentes à água

Muitas assistências técnicas se tornaram uma opção custo-benefício nada vantajosa para consertar o celular que molhou. Uma boa sugestão é checar os modelos de celulares resistentes à água com certificação.

Na Loja da Vivo você encontra alguns modelos de aparelhos resistentes à água com certificação IP67 ou IP68 como os iPhones 11 e 12.

Além disso, aparelhos como Samsung Galaxy S10e, Samsung Galaxy A8 e Motorola Moto X4 também são bastante procurados por terem essa funcionalidade.  

Abaixo, veja mais sobre a especificação de cada um desses modelos. 

  • iPhone 12: o modelo mais atual dos celulares da Apple possui certificação IP68, protegendo o aparelho contra poeira e exposição contínua de até 3 metros de profundidade por até 30 minutos. Além disso, ele traz a potência do 5G, memória de até 256 GB e câmeras duplas incríveis de 12 MP. E você sabia que o iPhone 12 é bem fininho? Ele tem espessura de apenas 7.4 milímetros, tornando-o um dos mais leves da categoria;
  • iPhone 11: possui certificação IP67, o que garante resistência de até um metro de profundidade por 30 minutos. Se você está atrás de um celular que traz as melhores especificações, o iPhone 11 também é uma opção incrível de celular;
  • Samsung Galaxy S10e: além da certificação IP68, a vantagem do modelo está no seu processador com ótimo desempenho, além da alta qualidade da câmera de 12 MP. Possui memória interna de 128 GB e dá para expandi-la com um cartão microSD. Show, hein?
  • Samsung Galaxy A8: esse é um modelo intermediário da Samsung mas também traz certificação IP68, garantindo proteção contra uma queda na piscina, por exemplo. Tem conexão 4G, memória interna de 64 GB e uma câmera muito boa de 16 MP;
  • Motorola Moto X4: além de ser resistente à água, tem câmera de 12 MP, o que garante fotos de alta qualidade para um modelo intermediário. Possui memória de 32 GB com possibilidade de expansão, tela grande touchscreen, leitor multimídia, rádio, videoconferência, GPS e bluetooth. 


Viu como não precisa se desesperar quando o celular molha? E, qualquer coisa, na Vivo você encontra os melhores celulares com o plano ideal para sua necessidade. 

Até a próxima!

Leia também