O que é wearable?

Você pode até não ter escutado ainda a palavra wearable, mas com certeza já viu essa tecnologia circulando por aí. Isso porque wearable nada mais é do que qualquer dispositivo “vestível”. Ou seja, é um equipamento que literalmente acompanha você e que consegue se conectar com outros dispositivos ou com a internet.

Lembrou daquele relógio de pulso supermoderno do seu amigo? Pois é! Os smartwatches (relógios inteligentes) são os acessórios wearables mais famosos e talvez os que sejam mais facilmente encontrados pelas ruas. Porém, essa tecnologia inovadora vai muito além.

Tecnologia wearable: muito mais do que um acessório

Quem vê o pessoal andando pelas ruas com relógios com visor com luzinhas coloridas e design futurista, pode até achar que os acessórios wearables não passam de modinha passageira. Mas que nada.

tecnologia wearable

Veja a seguir algumas opções de dispositivos que têm essa tecnologia e como cada um se destaca: 

  • Smartwatch: funciona praticamente como um celular em miniatura. Pode ser dependente de um aparelho smartphone ou não – tudo vai depender do modelo. Além de indicar as horas (óbvio), pode receber notificações de novas mensagens de WhatsApp ou e-mails, fazer e receber ligações por comando de voz, tirar fotos e muitas outras facilidades que tornam o dia a dia muito mais produtivo.
  • Smartband: assim como o smartwatch, esse modelo wearable parece um relógio de pulso. Mas seu maior diferencial é que é voltado mais para pessoas que praticam atividade física ou que se preocupam com a saúde. Os smartbands capturam dados diretamente do pulso do usuário. Com isso, é possível saber a frequência cardíaca durante o exercício, o nível da pressão arterial, a quantidade de passos dados diariamente, a qualidade do sono e muitas outras funções importantes para complementar um estilo de vida saudável. Vale lembrar que ele é totalmente dependente de um smartphone para funcionar. 
  • Fones de ouvido: eles já foram mais delicados, robustos, coloridos e discretos. Porém, agora o que importa é que eles estão mais inteligentes. Os modelos de fones de ouvido com a tecnologia wearable ganharam mais funções, e o melhor: tudo compactado em micros dispositivos que se encaixam perfeitamente no ouvido. Alguns modelos funcionam via Bluetooth, mas há também os que têm memória interna para armazenar centenas de músicas. Outros, além da música, conseguem monitorar os batimentos cardíacos e até a quantidade de calorias gastas em determinada atividade física.

Leia mais:

A tecnologia em plena evolução

Embora os acessórios citados anteriormente sejam os mais comuns, a tecnologia wearable não para por aí. Cada vez mais, grandes empresas do setor high-tech têm investido no desenvolvimento de produtos “vestíveis” que até pouco tempo atrás seriam inimagináveis. 

  • Meias inteligentes: isso mesmo que você leu! Até mesmo esse pouco prestigiado acessório ganhou ares tecnológicos. Uma empresa norte-americana desenvolveu meias que detectam possíveis problemas nos pés de diabéticos. Por meio de sensores, elas são capazes de identificar lesões na região, que, muitas vezes, são pouco perceptíveis pelos portadores da doença, o que pode levar à amputação do membro se não forem tratadas a tempo. 
  • Óculos inteligentes: os mais conhecidos são os de realidade aumentada, usados para assistir a filmes ou participar de jogos online. No entanto, já existem modelos que se assemelham a óculos comuns e que têm funções como: receber ligação, tirar fotografias e até mesmo sistema de GPS. Pode até parecer, mas não é coisa de espião!

Usando a tecnologia wearable na vida escolar

Em 2020, uma empresa brasileira desenvolveu a Schood. O acessório é uma pulseira para ser utilizada por professores e alunos, e está disponível em diversas cores. O intuito é oferecer mais segurança e facilitar a rotina no ambiente escolar

Para os pais preocupados, a pecinha consegue enviar uma notificação dos horários de entrada e de saída dos alunos na escola, além de emitir uma mensagem para os estudantes informando se o responsável já está se aproximando do local para buscá-los. A ideia é evitar que crianças e adolescentes fiquem na área externa, expondo-se a riscos desnecessários.

Os professores também têm a rotina facilitada com a moderna pulseira: a chamada é preenchida automaticamente no aplicativo, evitando desperdício de tempo ao chamar um aluno por vez, e feedbacks sobre algumas atividades podem ser dados mais rapidamente.

Imagem de smartwatches

Tempos de pandemia na escola

Com os perigos da pandemia que o mundo vive atualmente, a segurança sanitária nas escolas tem sido tema de muitos debates. Por isso, a empresa desenvolvedora da Schood fez uma atualização nos modelos.

Agora, eles são capazes também de medir a temperatura dos alunos e de emitir um alerta quando um ambiente estiver com mais pessoas do que o indicado pelas normas de segurança.

Outra vantagem é poder pagar o que for consumido na cantina sem a necessidade de usar dinheiro ou cartão.

Usando a tecnologia wearable na saúde

Entre tantas chatices na vida de uma pessoa diabética, uma das que mais causam desconforto é ter que ficar espetando o dedo com microagulhas para medir o nível de glicose no sangue. Pensando nisso, muitas empresas já estão criando produtos com a tecnologia wearable para que isso não seja mais necessário. 

A ideia é que o invento, em formato de relógio de pulso, possa medir o nível de açúcar por meio da pele sem a necessidade da amostra de sangue. Tudo por meio de sensores especiais desenvolvidos especialmente para esta função. Outra vantagem é que o aparelho deve conseguir compartilhar as informações diretamente com o médico pessoal do usuário.

Imagem de homem usando smartphone

Como surgiu essa tecnologia?

A tecnologia wearable mais antiga que se tem notícias é obra dos americanos Claude Shannon e Edward Oakley Thorp. Na década de 1960, a dupla desenvolveu o que eles chamaram de “computador vestível”, que era um invento para ajudá-los a ganhar jogos de roleta em cassinos. 

O artefato consistia em duas peças. Uma era quase do tamanho de um maço de cigarros e era acoplada disfarçadamente à cintura. Já a outra se localizava na região dos dedos dos pés. As duas se conectavam por meio de fios que eram passados por dentro da roupa. 

Com essa avançada tecnologia wearable para a época, os criadores conseguiam cronometrar a velocidade da bola na roleta e determinar onde ela iria parar. Mas calma! A dupla não enriqueceu com o invento. Como bons cientistas, esse não era o objetivo, mas, sim, desafiar o sistema. 

E aí, curtiu saber mais sobre a tecnologia? É muito útil, não é mesmo? 

Obrigada pela companhia por aqui e até a próxima!

Vivo Guru

Smartbands e Smartwatches - Descomplicando a Tecnologia Online

Nesse episódio, nosso #VivoGuru Dionatan dá todos os detalhes sobre smartbands e smartwatches, como eles funcionam e como podem facilitar a sua vida. Assista ao episódio e aprenda a usar a #tecnologia para deixar a sua rotina mais prática.

Leia também