Não é de hoje que os consumidores estão apresentando perfis mais reflexivos na hora de comprar. E a tecnologia, com a popularização dos smartphones e diversos aplicativos sendo criados, tem papel determinante em uma mudança de comportamento global. 

Estamos falando da economia compartilhada, uma nova posição ligada ao consumo, baseada no acesso aos serviços, tornando dispensável a aquisição de bens. Na prática, é a descoberta de que é possível ter menos no que diz respeito à posse, porém ter mais acesso a novas experiências.

Difundido principalmente entre os públicos mais jovens, o consumo consciente vem sendo um impulsionador desse setor. 

A economia compartilhada está presente em muitas esferas das nossas vidas. Quer entender melhor o que é e como isso funciona? Então, confira a seguir!

O que é economia compartilhada?

É um conceito que vem crescendo cada vez mais, principalmente entre os mais novos. Consiste em utilizar soluções conjuntas, sejam elas de aspectos físicos ou até mesmo intelectuais, para que os recursos humanos sejam melhor aproveitados, de maneira mais solidária, democrática e inteligente.

Apesar de ter se popularizado mais nos últimos anos, o conceito não é uma novidade. Se você parar para pensar, os brechós e bazares já utilizam essa metodologia. 

Seguindo essa linha de raciocínio, podemos citar, também, as locadoras de fitas VHS, muito famosas nas décadas de 1980 e 1990.

Com o uso cada vez mais frequente da tecnologia e o fácil acesso a serviços por meio de apps, a economia compartilhada ficou em mais evidência, permitindo que os usuários executem diversas tarefas, que vão desde assistir a um filme ou série, a se deslocar até o trabalho com um carro de aplicativo.

Mulher separando roupas para doação sentada no chão da sala Mulher separando roupas para doação sentada no chão da sala

Como funciona a economia compartilhada?

Funciona, como o nome diz, por meio do compartilhamento de recursos. Basicamente, o usuário tem um item ou contrata algum serviço, que permite que mais pessoas além dele façam uso. E isso pode ser feito através de três modelos diferentes:

  • Reaproveitamento: os indivíduos que possuem itens que não têm mais serventia, repassam para outras pessoas que farão uso desses bens;
  • Modo de vida colaborativo: grupos de pessoas se reúnem para que possam trocar, vender ou até mesmo emprestar itens, espaços e serviços para pessoas que necessitam (um espaço de coworking, por exemplo);
  • Locação de bens como produtos e serviços: o usuário utiliza um bem ou serviço particular de alguém para atender sua demanda. Um exemplo é o uso de aplicativos de carros ou o aluguel de um apartamento. 

Quais as características e os benefícios da economia compartilhada?

A economia compartilhada se apresenta como uma solução interessante para todos os lados e já conquistou seu espaço em vários mercados. 

A perspectiva é que, com o avanço da tecnologia, esse segmento se consolide ainda mais, devido às características e vantagens que esse modelo de consumo tem a oferecer.  Confira alguns dos pontos positivos:

Compartilhamento

A principal característica e um dos maiores benefícios é, de fato, o compartilhamento de serviços e produtos entre as pessoas. 

Isso, além de gerar mais economia para os usuários, abre um precedente para reutilização de bens de consumo — como no exemplo dado sobre os brechós e bazares.

Assim, algo que, de repente, não tenha mais serventia para seu objetivo, pode servir perfeitamente para outra pessoa.

Mulher guardando dinheiro em um cofre de porquinho Mulher guardando dinheiro em um cofre de porquinho

Economia

O compartilhamento também gera uma vantagem em relação aos investimentos do consumidor, dando um caminho alternativo, em vez de utilizar o mais frequente, que seria adquirir o produto novo em uma loja por um preço maior.

O mesmo vale para os serviços, como no caso das plataformas de streaming, em que, em vez de cada um contratar o seu, podem dividir tanto o uso quanto os valores, utilizando uma só conta — desde que a empresa que o oferece entregue essa possibilidade.

Melhor oferta de serviço

As empresas conseguem proporcionar mais garantia na entrega de serviços de qualidade, pois os prestadores são avaliados o tempo todo através de comentários e notas online, interferindo na escolha de compra do próximo cliente. Nesse sentido, sempre farão o máximo para manter a boa reputação.

Proximidade entre a empresa e os consumidores

Esse tipo de interação acaba aproximando mais os clientes das empresas, tornando mais fácil a comunicação entre eles — sem a necessidade de intermediários — e ajudando a marca a criar uma base de dados sobre as preferências dos usuários. 

Isso possibilita que elas criem novas estratégias de marketing e melhorias na oferta de produtos e serviços, bem como facilita na resolução de problemas que os consumidores possam ter, tanto atualmente quanto no futuro.

Ecommerce de brechó Ecommerce de brechó

Qual a diferença entre economia compartilhada e colaborativa?

Conceitualmente, os dois termos têm os mesmos objetivos. Porém, algumas particularidades acabam tornando os dois modos de consumo um pouco distintos um do outro.

Na economia compartilhada, o usuário faz um contato direto com outras pessoas, utilizando, geralmente, os recursos tecnológicos — como as redes sociais ou aplicativos voltados ao compartilhamento. 

É como se você tivesse alguma peça de roupa usada e, em vez de descartá-la, vendesse ou trocasse com algum amigo ou até mesmo uma pessoa desconhecida que tenha se interessado, por exemplo.

O mesmo vale para diversos outros serviços, como a possibilidade de utilizar o carro de outra pessoa, através de um app de corrida, em vez de ir até uma concessionária e comprar o próprio veículo.

Na economia colaborativa, os usuários, sejam eles conhecidos ou não, são reunidos por meio de alguma empresa que ofereça algum bem de consumo, para que todos consigam adquirir o seu a preços mais baixos.

Um bom exemplo de economia colaborativa são as empresas de consórcio, nas quais os clientes formam um grupo e pagam parcelas de acordo com suas condições financeiras até que todos os associados tenham adquirido o seu bem em comum, como um imóvel ou carro.

Conheça 8 apps que incentivam a economia compartilhada

Diversas empresas passaram a oferecer serviços voltados para esse modelo de consumo como forma de prospectar mais clientes, manter a qualidade dos serviços e gerar economia, se comparado ao uso individual de cada consumidor. Conheça alguns desses apps a seguir:

Airbnb

A plataforma online mais conhecida no quesito aluguel para curta temporada é avaliada em mais de US$ 100 bilhões. 

Lançada em 2008, revolucionou a indústria de hotelaria, oferecendo aluguel de casas de estranhos. 

Hoje é a mais popular e oferece opções de hospedagem em mais de 220 países pelo mundo.

Mulher segurando um celular enquanto pede um Uber Mulher segurando um celular enquanto pede um Uber

Uber

A startup gigante do transporte compartilhado já causou muita polêmica e se consolidou de vez dentro da economia compartilhada.

A proposta é oferecer alternativas mais em conta aos táxis tradicionais. E fez muita gente refazer as contas e se perguntar se realmente valia a pena ter os gastos com um carro próprio.

iFood

Líder no segmento de delivery em alimentação, permite que você faça pedidos em uma infinidade de restaurantes, bares, lanchonetes e estabelecimentos cadastrados. 

Uma sacada genial que permite às empresas alcançarem clientes nunca antes imaginados e que os consumidores tenham opções de compra mais variadas e com toda a comodidade.

Moça alugando bicicleta do Itaú Moça alugando bicicleta do Itaú

Tembici

Depois da retirada da Yellow do Brasil, a Tembici, empresa especializada em bicicletas compartilhadas, ganhou ainda mais força. Ela é a responsável pelas bikes do app do Itaú.

Scoo

Oferece aluguel de patinetes e bikes em diversos pontos fixos, com capacetes. A retirada é bem simples, com acesso via QR Code, bastando apontar a câmera do celular para acessar e desbloquear o equipamento escolhido.

My Open Closet

A ideia da empresa é ser como um armário de uma amiga, para o qual você corre quando tem uma festa e precisa de uma roupa especial. 

A rede de compartilhamento de vestidos reúne modelos de diferentes marcas e tamanhos para aluguel online (é possível fazer tudo de forma remota ou visitar a loja e experimentar cada um), aumentando as possibilidades de se vestir em diferentes ocasiões.

Mercado Livre

A empresa argentina de tecnologia funciona como um verdadeiro marketplace, uma vitrine de produtos para que pessoas e empresas possam comprar, vender, pagar e enviar por meio da plataforma.

Netflix

Esse e os demais streamings são meios de economia compartilhada extremamente difundidos, com a facilidade de acessar sua conta de qualquer aparelho conectado e ainda poder dividi-la com mais de uma pessoa simultaneamente.

A Netflix é uma das primeiras plataformas de compartilhamento de conteúdos via streaming e conquista cada vez mais clientes com suas superproduções. 

E quem é cliente Vivo também tem a oportunidade de fazer parte dessa comunidade com vantagens exclusivas. Confira, a seguir.

Três amigas sentadas no sofá comendo pipoca e assistindo Netflix no notebook sobre a mesa de centro Três amigas sentadas no sofá comendo pipoca e assistindo Netflix no notebook sobre a mesa de centro

Vivo Selfie Netflix

Para quem deseja contar com uma internet móvel de qualidade, com muitos gigas para aproveitar e um pacote exclusivo para usufruir da plataforma de streaming, tem como opção o plano Vivo Selfie Netflix

Além disso, os clientes têm acesso a diversos outros recursos, tais como:

  • Internet exclusivos para assistir Netflix + gigas para fazer outras tarefas;
  • Bônus de internet na fatura digital e na portabilidade;
  • Assinatura Netflix modelo padrão;
  • Ligações e SMS ilimitados para qualquer operadora do Brasil;
  • WhatsApp sem descontar da franquia de dados;
  • Acesso a serviços digitais;
  • Vivo Travel América — com ligações grátis todos os dias em qualquer país das Américas.

Vivo Fibra Netflix

Para quem quer contar com uma internet de qualidade em casa, o plano Vivo Fibra com Netflix entrega a melhor tecnologia de banda larga disponível atualmente, garantindo muito mais estabilidade e velocidade, reduzindo a incidência de quedas na conexão ou travamentos. 

Além disso, você tem acesso a uma assinatura na plataforma de streaming, que pode ser aproveitada mesmo sem uma Smart TV, por meio do aplicativo Vivo Play

E você ainda pode escolher entre os modelos Básico (com dois dispositivos simultâneos) ou Premium (com até quatro dispositivos simultâneos) da Netflix.

Agora que você já conhece o conceito de economia compartilhada e como esse novo modelo de consumo tem mudado o mercado e a vida dos consumidores, é hora de começar a fazer parte desse processo que já é tendência na sociedade. 

Assim, além de aproveitar a economia que ele pode gerar ao contar com um serviço compartilhado, você consegue contribuir com a rotatividade de alguns bens de consumo que não irá mais utilizar, dando a oportunidade de outras pessoas os reaproveitarem e também conseguirem economizar.

Até breve!