Foi na região de Potomac, no estado de Maryland, que Tim Sweeney — até então desconhecido — desenvolveu o seu primeiro jogo. Intitulado de ZZT, foi lançado em 1991 pela empresa Potomac Computer Systems — fundada e mantida na casa dos pais de Sweeney.

Na época, os interessados recebiam o jogo de aventura por correio, que rodava no sistema operacional Microsoft Disk Operating System (MS-DOS). De acordo com o site Mais Geek, era um game de aventura, mas com um elemento revolucionário, “fornecido com um editor de jogo integrado e gratuito”.

Ainda em 1991, Sweeney resolveu alterar o nome da empresa para Epic MegaGames, com o objetivo de “fazer parecer que éramos uma grande empresa”, conforme o próprio empresário revelou ao site Gamasutra

Somente em 1999 que a Epic MegaGames retirou o “Mega” do nome e passou a se chamar Epic Games. Atualmente sediada em Cary, na Carolina do Norte, possui mais de mil funcionários.

Principais games

Jogos mais famosos da Epic Games

Já como Epic Games, a empresa lançou, em parceria com a Digital Extremes, o first-person shooter ou FPS (tiro em primeira pessoa, em tradução livre), Unreal Tournament que, para o final dos anos 1990, foi um grande sucesso por apresentar uma jogabilidade extremamente positiva.

Em 2006, desenvolveu Gears Of Wars, posteriormente adquirida pela Microsoft. E, em 2017, entrou para a história com Fortnite, um dos games mais populares do mundo — daqueles que até quem não gosta de jogar, conhece. 

Inclusive, em maio de 2020, Fortnite registrou 350 milhões de jogadores e em abril do mesmo ano, contabilizou 3,2 bilhões de horas jogadas

Aliás, Fortnite colocou, em 2019, Tim Sweeney entre os 400 bilionários da lista criada pela Forbes, de acordo com a revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios. Na época, sua fortuna era de US$ 4,5 bilhões.

Fortnite

Fortnite é distribuído em dois modos distintos: Save The World e Battle Royale (jogo de batalha real, em tradução livre). 

No primeiro modo, uma espécie de spin-off de Fortnite Battle Royale, jogadores se juntam para alcançar um objetivo comum em várias missões. É categorizado como player versus environment (sigla PVE) ou jogador contra ambiente (sigla JVA). No entanto, não é multiplataforma, tampouco a menina dos olhos da Epic Games.

O que faz a roda girar é o modo Battle Royale: gratuito e multiplataforma — para Mac, a versão do jogo é a v.13.40 por desavenças entre Apple e Epic Games

Em 2018, o game levou os prêmios de Melhor Jogo Multiplayer e Melhor Jogo em Andamento pelo The Game Awards. Um ano depois, venceu novamente na categoria Melhor Jogo em Andamento.

Imagem do jogo Fortnite

Como funciona a partida Battle Royale do Fortnite?

Em síntese, ao iniciar a partida, você e até outros 99 jogadores ficam confinados em um lugar aleatório, onde somente um(a) jogador(a), dupla ou equipe de até quatro pessoas sobreviverá. Se você morrer, o jogo reinicia em outra partida, com outras 99 pessoas.

Ou seja, o objetivo principal é matar outros jogadores para sobreviver e, no tempo em que você não estiver na mira de alguém, coletar materiais e construir o que for preciso para não se tornar um alvo fácil — casas, esconderijos etc.

Nunca jogou Fortnite ou não está familiarizado com jogos Battle Royale, como PUBG, Free Fire ou Apex Legends? Então, a dica é acompanhar um(a) streamer (pessoa que joga ao vivo) de Fortnite para entender as possibilidades do gênero e ter uma visão mais ampla do que estamos falando.

Portanto, escolha uma plataforma de streaming de jogos e, depois, encontre um(a) streamer de Fortnite na plataforma que você escolheu. Na Twitch, por exemplo, é possível acompanhar a oifrancine, enquanto no YouTube, não dá para deixar de conferir o Drakonz.

A dinâmica do jogo ficou mais clara agora? Então, é hora de investir em uma boa internet, afinal, como o próprio site da Epic Games avisa, “você precisa de uma conexão estável de internet para jogar Fortnite”, caso contrário, vira alvo fácil por conta de travamentos. Conheça aqui a melhor opção de internet para jogar online.

Unreal Engine: criação de novos jogos

Para desenvolvedores de jogos, heavy users e criadores de conteúdo sobre games, a Epic Games não é conhecida somente por Fortnite. Isso porque, além de um gênio da computação, Tim Sweeney é um grande empreendedor. 

Sweeney é silenciosamente confiante e possui um aguçado instinto de negócios que é raro em um gênio analítico de seu calibre. Esse instinto de negócios o levou (e à Epic) diretamente onde estão hoje”, relata Benj Edwards, editor-chefe do weblog Vintagecomputing.com. Portanto, Sweeney nunca limitou-se à criação de games para consoles e computadores.

Prova do que estamos falando é o Unreal Engine (UE), um motor gráfico que permite que desenvolvedores criem videogames complexos com relativa facilidade, e a Epic Games Store — próximo tópico. 

Unreal foi lançado em maio de 1998 para jogos FPS, entretanto, é usado até hoje em uma variedade de gêneros. Inclusive, foi nesse motor que a empresa de Sweeney trabalhou durante grande parte dos anos 1990. 

Em síntese, o motor gráfico da Epic Games simplifica a implementação de técnicas no jogo, como de renderização para alcance de gráficos realistas, áudio, entre outras coisas e, por consequência, encurta o tempo de desenvolvimento de games e tende a diminuir custos.

Em sua quinta versão, UE está confirmado nos jogos PES 2022 e Hellblade 2 e, é claro, em Fortnite e Fortnite: Save the World nas versões para PS5 e Xbox Series X.

Epic Games Store

Comprovando ainda mais a visão empreendedora de Sweeney, a empresa também possui uma loja online, a Epic Games Store, assim como a Steam, uma biblioteca gigantesca de jogos, e a Discord, um serviço de assinatura mensal.

A plataforma chegou ao mercado um ano depois de Fortnite, em 2018, como forma de transformá-la na ferramenta oficial do jogo. Portanto, dá para concluir que Tim Sweeney arquitetou a loja depois do sucesso do Battle Royale.

No entanto, a loja ainda está em desenvolvimento e você pode acompanhar as atualizações, tanto pelas redes sociais da Epic Games, como pelo roadmap da loja no Trello  — sim, encontra-se aberto ao público. Portanto, se você quiser saber se um dia eles colocarão fóruns ou classificações de usuários no site, já sabe o caminho.

Imagem da tela da Epic Games Store

De acordo com o site da Epic Games, o “foco da loja é levar bons títulos aos jogadores e oferecer um negócio justo aos desenvolvedores”. Isso porque quando você compra um jogo por lá, 88% do valor vai para os desenvolvedores, enquanto em outras lojas, a porcentagem é de 70%.

Além disso, a plataforma é bem simples — pelo menos quando comparada à Steam. Isto é, você pode se deparar com um título interessante de forma aleatória, através do botão “Descobrir”, ou fazer uma navegação baseada nas seguintes variantes: relevância; data de lançamento; alfabética e preço. Há também filtros como:

  • Eventos
  • Preço
  • Categoria
  • Recursos
  • Plataforma

Entretanto, se a navegação não estiver fluida, dê uma olhada nas extensões que você utiliza em seu navegador de internet, seja ele qual for — principalmente bloqueadores de anúncio como o AdBlock — e desative-os.

Que história é essa de jogos gratuitos?

Jogos grátis na Epic Games Store

Para os jogadores de plantão, uma das coisas mais interessantes da EG Store são as promoções constantes de jogos de sucesso de outros estúdios e/ou desenvolvedoras, como Ubisoft, CD Projekt Red e Rockstar Games.

Imagem do jogo Battle Breakers

Além disso, todos os jogos feitos pela Epic Games, como Battle Breakers, Unreal Tournament, Shadow Complex, Infinity Blade, o próprio Fortnite, entre outros, são gratuitos. Oh, que beleza!? 

Fique sempre atento(a) à Epic Game Store, justamente pelo motivo acima. Em outras palavras, como as promoções são constantes (e os jogos gratuitos também), mesmo não tendo um PC ou Mac potente o suficiente para jogar, faça uma conta e vá alimentando a sua biblioteca de jogos. Dessa forma, quando você comprar a sua máquina, já saberá como aproveitá-la.

Protagonismo feminino: jogos disponíveis

Falando da loja da Epic Games, preparamos uma segunda dica com títulos que possuem mulheres como protagonistas: Dandara: Trials of Fear Edition, Control e Beyond: Two Souls. Spoiler: a estética dos três é completamente diferente, mas cada um possui seu charme.

Além disso, é importante ressaltar que, tratando-se de computadores, o primeiro funciona em Windows e macOS, enquanto o segundo e o terceiro rodam apenas no sistema Windows. Também vale lembrar que eles não foram desenvolvidos pela Epic Games; estão apenas disponíveis na loja.

Dandara: Trials of Fear Edition

Honestamente? São tantos fatores interessantes que é difícil começar a falar sobre este título. Dandara: Trials of Fear Edition faz um resgate histórico belíssimo e indispensável ao basear sua personagem principal em Dandara dos Palmares, guerreira negra do período colonial do Brasil

Desenvolvido pelo estúdio brasileiro Long Hat House, Dandara é um jogo de tiro disponível para Windows e macOS, e classifica-se como metroidvania. Em outras palavras, apresenta uma estética 2D que remete aos anos 1980 e 1990, enquanto a personagem evolui explorando um mundo aberto, sem transições de fase.

Em relação à narrativa, a similaridade de Dandara do jogo, uma heroína que precisa ser despertada para trazer liberdade e equilíbrio a um mundo sem rumo, com Dandara dos Palmares, é emocionante.

Imagem do jogo Dandara: Trials Of Fear

Control

Um jogo que recebeu 11 indicações no BAFTA Games Award e sete no The Game Award, bem como os prêmios de Melhor Direção de Arte pelo The Game Award em 2019 e Performer in a Supporting Role (Melhor Performance de Papel Coadjuvante, em tradução livre) pelo BAFTA Games Award em 2020 não pode passar despercebido.

Desenvolvido pela Remedy Entertainment, estúdio responsável também por Alan Wake e Quantum Break, Control é um jogo de tiro em terceira pessoa, com gráficos impecáveis, no qual você é Jesse Faden, a nova diretora de uma agência secreta de Nova Iorque, que enfrenta inimigos usando uma chamada “Arma de Serviço”. 

Ou seja, uma arma de fogo sobrenatural que pode assumir várias formas — loucura, não é mesmo? Inclusive, o jogo é estranhamente cativante nos primeiros minutos. Você não entende nada, mas não consegue parar de correr pela agência atrás de documentos (“ops”, spoiler) para descobrir o que está acontecendo.

E a loucura não para por aí. Através de Faden, você, como jogador(a), tem acesso a poderes sobrenaturais e de telecinese — sim, mover objetos com a mente, no estilo Eleven de Stranger Things. Enfim, vale a pena conferir.

Imagem do jogo Control

Beyond: Two Souls

Falando em Stranger Things, aspectos da narrativa de Beyond: Two Souls, principalmente em relação à protagonista, são muito semelhantes ao do seriado. No entanto, ao invés das feições de Millie Bobby Brown, que interpreta Eleven, é o rosto de Elliot Page que “dá vida” a Jodie Holmes, protagonista do game.

Classificado como “um terror dinâmico e psicológico” pela Epic Game Store, você controla Jodie, em uma narrativa anacrônica, dos oito aos 23 anos de idade, que possui a capacidade de se conectar com uma entidade misteriosa chamada Aiden. 

O jogo, desenvolvido pela Quantic Dream, foi originalmente lançado em 2013 para PS3. Porém, não foi bem recebido pela crítica, tampouco pelos gamers, por apresentar problemas na prensagem do jogo e na dublagem em português. 

Um tempo depois, foi remasterizado para PS4 e em julho de 2019 foi lançado para PC. Vale jogar e tirar suas próprias conclusões.

Imagem do jogo Beyond: Two Souls

E aí, gostou das dicas? Não perca tempo e aproveite para conhecer os games dessa nossa seleção.

Até a próxima!

Obs: Fotos dos jogos são prints do site oficial da Epic Games.

Leia também