Há quem diga que não há nada melhor do que chegar em casa e ter um amigo carinhoso lhe esperando. Seja você do time dos gateiros, dos “cãopanheiros” ou dos dois, a verdade é que adotar um pet é algo que só tem benefícios.

Isso porque, em primeiro lugar, no Brasil e em muitos outros países há diversos gatos e cachorros aguardando uma casa para chamar de sua. Por aqui, por exemplo, existem ONGs que resgatam e cuidam desses animais. 

Contudo, ao mesmo tempo em que essa ação traz conforto e felicidade aos pets, também muda a vida de quem os acolheu. Os tutores (ou pais) encontram nesses novos integrantes da família uma companhia leal que ajuda até mesmo a aliviar o estresse e a solidão.

Você quer fazer parte desse time, mas ainda tem dúvidas de como o processo funciona? Então, siga conosco, pois vamos te contar tudo sobre o tema! 

Imagem de dono e cachorro

Animais de estimação são parte da família brasileira

Não muito tempo atrás, era comum os animais de estimação ficarem o tempo todo fora de casa. Atualmente, esse comportamento mudou bastante não apenas no exterior, como também no Brasil. 

Por aqui, os companheiros pet já fazem parte da família: com cama especial, ração específica e até um lugar no sofá para assistir filmes. 

Entretanto, ainda há quem tome a decisão de adotar um pet sem planejamento, resultando no retorno desses animais às ONGs ou mesmo no abandono.

Pets no Brasil

O Brasil é o 2º país com maior número de animais de estimação.

Em 2018, haviam 139,3 milhões de pets nas casas brasileiras, sendo:

  • 54,2 milhões de cães;

  • 39,8 milhões de aves;

  • 23,9 milhões de gatos;

  • 19,1 milhões de peixes;

  • 2,3 milhões de outras espécies, como répteis, anfíbios e pequenos mamíferos.

Já existem mais cães e gatos do que crianças nos lares. 

Contudo, a taxa de abandono ainda é alta!

No país, estima-se que foram abandonados:

  • 10 milhões de gatos;

  • 20 milhões de cães.

Dados ainda mostram que 6 em cada 10 brasileiros deixariam seu animal em caso de mudança de casa.

Além disso, entre os motivos de abandono estão:

  • Falta de tempo;

  • Questões comportamentais;

  • Chegada de um filho.

Fonte: IBGE, OMS

Por que adotar um pet?

Muitas vezes pensamos na adoção como um ato de amor com os animais que aguardam a oportunidade de ter uma casa. E, de fato, adotar um pet, em vez de comprar, ajuda muitos cachorros e gatos a saírem das ruas e ter uma vida confortável.

Contudo, tomar essa atitude nobre não traz felicidade apenas para os bichinhos. Famílias com crianças ou sem, casais e solteiros, jovens e idosos: todos podem se beneficiar da companhia de um animal de estimação.

O fim da solidão

Uma das vantagens mais óbvias é contar com a presença e a companhia do pet todos os dias. 

Para quem fica muitas horas fora, chegar em casa e ter um bichinho carinhoso esperando aquece o coração. Aliás, o mesmo também vale para quem tem gatos que, apesar da fama, também gostam desse convívio.

Durante a pandemia a Covid-19, por exemplo, eles foram essenciais para muita gente. Uma pesquisa publicada recentemente na revista científica Journal of Veterinary Behaviour mostra que 75% dos entrevistados afirmaram que os animais de estimação os ajudaram a superar o confinamento.

Portanto, esses parceiros fiéis foram imprescindíveis para auxiliar seus donos a superarem a solidão e manterem algum tipo de atividade física. Afinal, eles precisam de cuidado, brincadeiras e carinho.

Imagem de mulher segurando cachorro no colo

Estresse para quê?

Não é de hoje que sabemos que animais de estimação ajudam a reduzir o estresse. Na realidade, as pesquisas que mostram uma relação sobre isso começaram entre as décadas de 1970 e 1980. 

Simplificando a descoberta, o que acontece é que há uma diminuição do hormônio do estresse, o cortisol, tanto em humanos, quanto nos animais. Essa situação se dá após apenas 45 minutos de interação entre eles. Por sua vez, a brincadeira com esses parceiros também libera endorfina, responsável pela sensação de bem-estar.

Aliás, por conta desses benefícios, já existem companhias pet friendly, ou seja, que permitem cachorros, por exemplo, dentro do escritório. Assim, os funcionários podem brincar um pouco com esses companheiros para aliviar as tensões do dia.

Mais sociável e mais responsável

Quem nunca acabou conversando com uma nova pessoa só por conta de um pet? De modo geral, os animais de estimação estimulam o lado sociável das pessoas. Nesse caso, os cães são os principais aliados, por exigir passeios e acabar tornando necessário o convívio com outros. 

Além disso, para quem tem crianças, há ainda a oportunidade de usar esse laço para  despertar a responsabilidade. Por exemplo, os pequenos podem ser responsáveis por alimentar o pet ou ainda ajudar a levá-lo para passear.

Por fim, adotar um pet pode trazer muita felicidade para o bichinho e seu tutor. Contudo, deve ser uma decisão tomada de forma séria e planejada, pois é um compromisso que irá durar anos. Lembre-se: exige cuidado, tempo e dedicação.

Imagem de crianças fazendo carinho em gato

Como funciona o processo de adoção?

O processo de adoção de pet varia de acordo com cada ONG, região, suas particularidades e os animais disponíveis. Como exemplo, bichinhos idosos precisam de tutores que possam proporcionar maior tempo de dedicação a eles e até mesmo recursos para acompanhamento veterinário. 

De maneira geral, há uma lista de perguntas que são feitas para garantir que a adoção de um pet é a melhor escolha para você. Entre as questões estão qual o motivo, se já teve um animal antes e se há alguém alérgico na família.

Outros fatores como a disponibilidade de tempo e o lado financeiro também são abordados, pois impactam diretamente na qualidade de vida desse novo amigo.

Há ainda preocupações quanto a casa ou apartamento estar preparado para receber o novo integrante. Para gatos, é recomendado que os ambientes tenham tela de proteção para evitar quedas acidentais ou mesmo o sumiço do pet.

Em uma adoção responsável, também é exigido que os bichinhos sejam castrados, caso sejam adotados antes de passarem pelo procedimento.

Adotar um pet pode ser mais fácil do que você imagina

O melhor caminho para adotar um pet é recorrer a ONGs que realizam o resgate e cuidado desses animais que vivem nas ruas. Hoje, existem inúmeras organizações que realizam esse trabalho e, basta ir até elas para buscar seu amigo pet.

Para facilitar esse primeiro contato com as entidades e reunir muitos animais com suas novas famílias, a Vivo está promovendo a adoção pelo Vivo Valoriza.

Assim, ao acessar a plataforma de relacionamento, é possível checar as ONGs registradas, escolher uma e falar diretamente com ela para adotar um pet.

A ação funciona para quem vive nas cidades ou regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e  Belo Horizonte. 

Até o momento, são mais de 50 sociedades cadastradas, mas a iniciativa permanece com inscrições abertas para ONGs interessadas. Basta acessar o site! 

Dessa maneira, ficou ainda mais simples conseguir adotar, de forma responsável, um novo companheiro de quatro patas. 

Este é apenas mais um exemplo de como a tecnologia e a digitalização ajudam a aproximar. 

E aí gostou das nossas dicas? Então, não perca mais tempo, procure uma ONG parceria e adote seu pet.

Até a próxima!

LEIA MAIS: